Ana Isabel Gueidão


Nota biográfica

Licenciada em Educação Básica pela Escola Superior de Educação Almeida Garrett. Mestre em Educação Pré-Escolar na ESE Almeida Garrett em 2013.

Educadora de Infância e Diretora Pedagógica numa IPSS.

Apresentei uma Comunicação no 6º Encontro de Investigadores em 2015, intitulada A Comunicação com Crianças de Espectro Autismo no Ensino Regular, na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

Tenho formações no Ensino Especial (Necessidades Educativas Especiais), Saúde, entre outras.

Em setembro 2018 vou para o 3o Ano do Doutoramento em Educação.


Áreas de interesse

  • Educação
  • Psicologia

Projeto individual de doutoramento

A Comunicação com Crianças do Espectro Autismo no Ensino Regular
Título
Prof.º Doutor Óscar Conceição Sousa
Orientador

Resumo

Atualmente, a maior parte dos estudos que segue grupos de crianças com autismo até à idade de adolescentes e de adultos jovens conclui que apenas uma minoria de indivíduos vem a atingir a autonomia social.

Procurou-se, com a presente investigação, estudar o processo comunicativo de uma criança com Perturbações do Espectro do Autismo e compreender o impacto do PECS (Picture Exchange Communication System) como instrumento de intervenção Lorna Wing verificou que as crianças com características autistas apresentavam: “perturbações de interação social, da comunicação e do desenvolvimento da imaginação” bem como um padrão de atividades e interesses limitados, rígidos e repetitivos” (Wing 1996 referido em Filipe, 2012:21).

Na sequência dos seus estudos, distinguiu a Síndrome de Kanner da Síndrome de Asperger1 entendendo as mesmas como sendo “subgrupos” dentro de um vasto leque de perturbações que afetam a interação social e a comunicação surgindo assim o conceito de “espectro do autismo” (Filipe, 2012:20; Lima, 2012:1).

Com as alterações legislativas, ligadas à educação especial, que se produziram a partir da entrada em vigor do decreto-lei 3/2008 de 7 de janeiro, foi possível desenvolver, nas escolas públicas, unidades de ensino estruturado para a educação de alunos com perturbações do espectro do autismo (PEA).

O presente trabalho centrou-se, em particular, na área da comunicação, através do estudo do impacto do PECS (Picture Exchange Communication System) como instrumento de intervenção para melhoria da comunicação. Nesta comunicação propomo-nos a atingir os seguintes objetivos: (1) Analisar a funcionalidade e a eficácia do PECS para a melhoria da comunicação da criança Autista (2) Caracterizar e diagnosticar a dificuldade da comunicação da criança (3) Planificar um conjunto de intervenções de acordo com o PECS e registar as novas aquisições (4) Registar os modos de comunicação atingidos, comparar com o seu ponto de partida e verificar as mudanças ocorridas e analisar todo o processo. Para atingir estes objetivos e dar sequencia a este trabalho, propomo-nos utilizar a Metodologia de Investigação-Ação.

Para a recolha e análise de dados, faremos um plano de intervenção anual, que será revisto consoante a necessidade da criança, sendo avaliado de forma regular e introduzidas as devidas alterações/adequações. Todas as sessões serão integralmente gravadas através de equipamento de áudio e os registros devidamente transcritos através dos protocolos. A coleta de dados será reforçada com a realização de Entrevistas Semiestruturadas realizadas com a Terapeuta da Fala, Encarregado de Educação, com a Educadora e com as restantes crianças da sala de aula.