Ana Caneva Moutinho


Nota biográfica

Ana Moutinho (1986, Lisbon) is a Visiting Lecturer at Universidade Lusófona, a Honorary Researcher at University College London and Head of User Experience at Holition. Ana has been collaborating on some research projects both at Lusofona University and UCL, such as Encounters between the city and arts: exploring new urbanities (2017, funded by FCT), Post-Screen: International Festival of Art, New Media and Cybercultures (2017, funded by Millennium BCP Foundation), Screens in the Wild: Exploring the potential of networked urban screens for communities and culture (2013, led by EPSCR), 2 KE Secondments at Holition (2014, funded by UCL Advances) and Visage: Augmented Reality for Cultural Heritage (Reserach project from the Computer Science Department – UCL). Ana’s background is Museology (PhD), Multimedia Art – Interactive Environments (MA), Multimedia Art (BA) and Computer Science (BSc).

Ana works in the areas of User Experience, Augmented Reality and Museums.

Grupo de investigação: Grupo 3 – Cultura, Memória e Território

Realidade Aumentada Aplicada à Museologia Resumo

A presente tese de doutoramento centra-se na relação entre o visitante/utilizador e as instalações museológicas. Partimos do princípio que o objetivo principal das instalações museológicas é o de potenciar a criação de conhecimento.

Neste sentido, exploramos uma série de recursos expositivos, em particular a Realidade Aumentada – RA, que possibilita diferentes leitura de um mesmo elemento e desta forma amplia o conjunto de interações possíveis.

Para a produção e desenvolvimento das Instalações Museológicas, tivemos em consideração o processo de design iterativo combinado com a avaliação in the wild, no sentido de desenvolver as instalações de acordo com o feedback dos utilizadores em diferentes fases do seu desenvolvimento.

No Petrie Museum of Egyptian Archaeology desenvolvemos uma instalação que tinha por base o reconhecimento gestural e centramos a investigação no processo de design iterativo, por outro lado, na Exposição Baixa em Tempo Real – BTR, apesar de executarmos também alterações com base no feedback dos visitantes, centramo-nos na avaliação in the wild, para identificar diferentes padrões comportamentais, tanto com as instalações como com a exposição num todo.

Por fim, procurámos caracterizar diferentes padrões de interação e comportamentos que foram observados durante a exibição das instalações de forma a contribuir para o conhecimento relativo ao desenvolvimento de instalações museológicas, de forma colaborativa, onde é tido em consideração os diferentes intervenientes neste processo, tal como os visitantes, os stakeholders, os técnicos ou os designers ou os museológos.