Luis Miguel Almeida


Nota biográfica

Luís Miguel Almeida é licenciado em Geografia e Planeamento Regional e Mestre em Ensino da História e da Geografia no 3º Ciclo do Ensino Básico e Ensino Secundário pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH-NOVA). Encontra-se a frequentar o doutoramento em Ciências da Educação na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias onde irá investigar a relação entre a formação inicial de professores e a evolução nas conceções e na literacia em avaliação dos futuros docentes.

O seu percurso profissional tem estado intimamente ligado ao ensino e aos Sistemas de Informação Geográfica. No domínio do ensino, tem experiência no ensino básico, secundário e no ensino superior, onde leccionou como monitor no Departamento de Geografia e Planeamento Regional da FCSH-NOVA. No domínio dos Sistemas de Informação Geográfica desempenha, atualmente, funções de assistente de investigação na NOVA Information Management School e já desempenhou funções em várias empresas do setor público e do setor privado, onde se destacam, entre outros, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e o Laboratório Nacional de Energia e Geologia.

Áreas de Interesse

  • Literacia em Avaliação;
  • Ensino;
  • Avaliação das Aprendizagens;
  • Formação de Professores;
  • Didática da Geografia;
  • Sistemas de Informação Geográfica.

Projeto individual de doutoramento

Evolução das Conceções e Literacia em Avaliação na Formação Inicial de Professores
Título
Glória Ramalho
Orientador
A preparação dos professores para a futura atividade docente tem sido, recorrentemente, discutida por ser considerada, em muitos casos, insuficiente face aos desafios que surgirão ao longo da atividade profissional. As próprias conceções dos professores, a nível europeu, refletem que a aprendizagem da profissão de docente se deu, sobretudo, em contexto de trabalho e não ao longo da sua formação inicial.
A avaliação das aprendizagens, segundo vários autores, deverá assumir-se como um elemento fundamental em qualquer discussão de conteúdo e/ou currículo na formação inicial de professores. Esta importância, deve-se, entre outros fatores, ao facto da avaliação, requerer um grande dispêndio de tempo e dedicação por parte do professor (diversos autores referem que os professores dedicam cerca de 40% em ações relacionadas com a avaliação). Assim, a formação inicial de professores deverá contribuir para a construção de uma Literacia em Avaliação dos professores, uma vez que os professores (em exercício e em formação) continuam a utilizar formas de avaliação desajustadas e longe daquilo que são consideradas as boas práticas de avaliação das aprendizagens.
A problemática que se propõe analisar, na presente tese, está assente em duas grandes questões. Em primeiro lugar, que conceções têm os futuros professores acerca da sua capacidade de avaliar e de que forma essas concessões evoluem ao longo da formação inicial. Em segundo lugar, pretende-se verificar a existência (ou não) de uma evolução significativa da Literacia em Avaliação dos professores ao longo da sua formação inicial.
Resumo