Série Debates e Perspectivas

A Educação Superior no Espaço Iberoamericano. Do Elitismo à transnacionalização

António Teodoro (org.)
Autor(es) / Editor(es)
2010
Ano de edição
978-972-8881-78-8
ISBN

Sinopse – Na segunda metade do século XX, os sistemas de ensino superior passaram por uma intensa transformação e experimentaram, sobretudo nas últimas décadas, uma extraordinária expansão. Uma das forças motrizes dessa mudança foi o significado consideravelmente maior da ciência, da pesquisa e da qualificação para a capacidade de geração de riqueza de uma sociedade, da qual depende, em última instância, também a estabilidade dos sistemas de segurança e de bem-estar social. É este o cenário em que se constroem as narrativas contidas em A Educação Superior no Espaço Iberoamericano. Do elistismo à transnacionalização, produto de trabalhos realizados no seio da Rede Iberoamericana de investigação em Políticas de Educação (RIAIPE), que, funcionando desde o início de 2007 no âmbito do Programa Ciência e Tecnologia para o Desesnvolvimento (CYTED), reúne uma centena de cientistas (e militantes) sociais de diferentes campos – educação, sociologia, antropologia, ciência política, economia, história – e de diferentes países da Ibero-América: Argentina, Brasil, Chile, Espanha, México, Portugal e Uruguai.


Os manuais escolares e os jovens: tédio ou curiosidade pelos saberes?

José Duarte; Sérgio Claudino & Leonor Carvalho (org.)
Autor(es) / Editor(es)
2012
Ano de edição

Sinopse – Nada justifica que os saberes (em sua boa parte consubstanciados nos manuais escolares) constituam um pesado e odiado fardo às costas das nossas crianças e dos nossos jovens. Podem os saberes, ser mais leves e olhados com prazer, mesmo não esquecendo que o prazer não quer dizer ócio, mas algo a conquistar com trabalho? Mais leves, sim, se o primeiro princípio da organização de um manual (ou, em geral, de qualquer estratégia didática) for ensinar a “usar bem a mente” e o segundo princípio for “menos pode ser mais” (ou seja, menos conteúdos mas em profundidade), como propõe a “Coalition of Essential Schools” nos EUA? Ou, a tradição francesa, se esses dois princípios corresponderem a um só, o de procurar levar os estudantes a ter “a mente bem organizada e não apenas cheia”, como propõe Freinet no rasto de Montaigne?


Escola em tempo de crise: problemas, desafios e perspectivas

Ana Benavente & Paulo Peixoto (coords.)
Autor(es) / Editor(es)
2012
Ano de edição
978-989-8512-41-3
ISBN

Sinopse – “A Educação é um assunto de todos”. Esta afirmação significa que o diálogo político constitui um eixo cada vez mais importante para a gestão e para o desenvolvimento dos sistemas educativos. Assim o entendemos nós e assim o entende a UNESCO.
Sendo impossível “governar por decreto”, também se tornou evidente, que a educação, para atingir os objetivos da Educação para Todos, não pode ser atribuição de um único Ministério, mas sim de todo o governo e administração e ainda de toda a sociedade civil, necessitando da ação comum e concertada de um número crescente de parceiros. Foi com esse mesmo objetivo que realizámos, em 2012, um Encontro – “Encontro de Parceiros em Educação: problemas, desafios e perspectivas” – que teve lugar nas instalações do CES em Lisboa, com a participação dos parceiros nacionais e de outros protagonistas educativos. É com o intuito de valorizar a participação democrática na vida educativa e com o objetivo de evidenciar a necessidade de que ninguém fique indiferente perante a difícil condição em que nos encontramos, que se edita a primeira publicação formal do OP:EDU.