Talita Souza Umbelino Rodrigues da Cruz


Nota biográfica

Escritora, Editora e Organizadora de Livros, Periódicos, Revista Científica e Materiais Didáticos.

Escritora Organizadora dos Livros Periódicos:

  1. Conexões: Políticas Públicas.
  2. Conexões: Saúde, Ciências Educacionais e Jurídicas.
  3. Conexões: Transtornos Globais do Desenvolvimento e Transtorno do Espectro Autista.
  4. Conexões: Tecnologias Assistivas e Acessibilidade.
  5. Impacto Conexões.

Diretora do Grupo Impacto Conexões. Membro do Conselho Científico e Acadêmico do Periódico Científico: Impacto Conexões. Sócia proprietária da empresa Impacto Desenvolvimento Especializado.

Pesquisadora Líder e Coordenadora de Núcleo de Pesquisas Globais junto ao DGP/Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil Lattes/CNPq.

Pesquisadora Membro do Programa de Pesquisas Campo da Saúde da Unesp/Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Investigadora Membro do CeiED/Centro de Estudos Interdisciplinares em Educação e Desenvolvimento da ULHT/Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias – Lisboa/Portugal.

Membro do CEP/Comitê de Ética em Pesquisa. Doutoranda em Educação pela União Europeia (Memórias de Inclusão na Universidade: Políticas Públicas, Processos de Mudanças, Inovação e Reconstrução Institucional).

Mestre em Educação (Acompanhamento da Experiência Escolar de Adolescentes Autistas no Ensino Regular).

Especialista em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (A Luta Continua: Processos de Ensino-Aprendizagem entre Crianças com Necessidades Educativas Especiais e Educadores).

Especialista em Gestão Escolar e Didática no Ensino Superior (Políticas Públicas: Repensando Processos de Administração Escolar nas Instituições Públicas e Privadas).

Especialista em Gestão e Implantação de Ensino à Distância – EAD (Políticas Públicas e Educação à Distância – EAD: Ferramenta ou Promoção de Formação?).

Especialista em Tecnologias Assistivas e Acessibilidade (Políticas Públicas, Tecnologias Assistivas e Acessibilidade no Ensino Superior: Eles Chegaram…).

Graduada em Pedagogia (A Complexidade da Inclusão do Deficiente na Presença do Professor Universitário à luz das Concepções de Michel Foucault).

Graduada em Teologia (Políticas Públicas: Capelania Educacional como Investimento Socioeducativo). Graduada em Direito (Autismo e Legislação: Direito Comparado).

Orientadora de Pesquisas Científicas Acadêmicas em Programas de Pesquisas Globais, Cursos de Graduação e Pós-Graduação.

Atua nas áreas:

  1. Políticas Públicas.
  2. Diálogo Político.
  3. Avaliação de Políticas.
  4. Processos de Mudanças.
  5. Inovação e Reconstrução Institucional Histórico-Cultural
  6. Memórias.
  7. Interdisciplinaridade.
  8. Docência.
  9. Metodologias de Ensino.
  10. Currículo e Avaliação.
  11. Direito e Educação.
  12. Interdisciplinaridade na Saúde e Educação.
  13. TGDs, TID e TEA.
  14. Tecnologias Assistivas e Acessibilidade.
  15. Discurso como Ferramenta para Obtenção de Direitos.
  16. Propriedade Intelectual e Direito Autoral.
  17. Direito Empresarial.

Coordenadora Universitária dos Programas de Pesquisas Globais:

  1. Tecnologias Assistivas: Linguagens de Inclusão e Técnicas Assistenciais.
  2. PPGPP/Programa de Pesquisas Globais Políticas Públicas
  3. PPGSCEJ/Programa de Pesquisas Globais Saúde, Ciências Educacionais e Jurídicas.
  4. PPGTEA/Programa de Pesquisas Globais Transtorno do Espectro Autista.
  5. PPGTAA/Programa de Pesquisas Globais Tecnologias Assistivas e Acessibilidade.

Coordenadora dos cursos de especialização:

  1. Direito Educacional: Políticas Públicas e Linguagens de Inclusão.
  2. Tecnologias Assistivas: Técnicas Assistenciais e Práticas de Ensino.
  3. Pesquisa: Metodologias de Investigação e Docência no Ensino Superior.
  4. Políticas Públicas: Tecnologias, Diversidades, Inclusão e Acessibilidade.

Responsável NTA/Núcleo de Tecnologias Assistivas e Acessibilidade. Docente em cursos de Graduação e Pós/Graduação, atuando em Formação Continuada Multiprofissional e Implantação de Projetos Sociais (Terceiro Setor). Assessora documental, administrativa e pedagógica em empresas públicas e privadas.

Projeto individual de doutoramento

Memórias de Inclusão na Universidade:
Políticas Públicas, Processos de Mudança, Inovação e Reconstrução Institucional
Título
Ana Benavente
Orientador

Resumo

Nem tudo é para todos, diminuir as desigualdades implica na aplicação e viabilização, de condições diferenciadas para pessoas diferentes, neste sentido, o desfasamento entre a proposta curricular descrita, e, garantida nas políticas públicas por meio das legislações vigentes, com a prática de aplicação destas estruturas na instituição universitária para as pessoas com deficiências, está na inexequibilidade destes direitos por conta de um sistema curricular pensado para todos, engendrado em aspectos comuns, desconsiderando as diferenças e singularidades inerentes em cada indivíduo. Muitos são os constrangimentos existentes na aplicação dos conteúdos técnicos, para os sujeitos com deficiências em processo nos cursos de graduação das universidades. Entre a inclusão social destes, e, domínio dos conteúdos reais a serem desenvolvidos num programa curricular de um curso superior, muitos celeumas, constrangimentos, obstáculos, complicações e implicações de diversos aspectos são encontrados. Considerando as especificidades dos alunos incluídos, bem como, as garantias no que se refere à permanência destes no ensino superior, podemos claramente visualizar um enorme abismo no que se refere às práticas de aplicação curriculares. Outras implicações de ordem interpessoal, processo de comunicação, adaptações de conteúdos, também podem ser visualizadas. Neste sentido nos questionamos quanto à possibilidade de viabilidade da aquisição de certas formações tendentes ao exercício de algumas atividades profissionais, indagamo-nos ainda acerca do desfasamento entre as propostas curriculares descritas e a aplicação prática dessa estrutura no ensino superior para alunos com deficiências, cujo problema a ser investigado está em compreender quais os obstáculos vivenciados em meio aos processos de inclusão das pessoas com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades no ensino superior e como suportam os enfrentamentos em suas perspectivas constitutivas? Buscando posteriormente alternativas e proposituras para caminhos que possam permitir reajustamentos. Objetivamos neste, compreender os obstáculos vivenciados em meio aos processos de inclusão das pessoas com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades no ensino superior, e como suportam os enfrentamentos em suas perspectivas constitutivas, compreender ainda, as dificuldades em meio aos celeumas, constrangimentos, obstáculos, complicações, implicações e entraves que enfrentam no percurso de formação nos cursos de graduação, conhecer as necessidades destes para desenvolvimentos reais dos processos de ensino-aprendizagem em meio aos procedimentos de inclusão, identificar a existência de apoio institucional e adaptações curriculares de pequeno e grande portes como preconiza a legislação para as necessidades dos alunos envolvidos, segundo as especificidades que apresentam, e desvendar as estratégias dos enfrentamentos para suporte das situações vivenciadas em meio aos processos constitutivos dos sujeitos investigados. Proposituras por meio de ações interventivas são indicadas no processo investigativo a fim de diminuir a distância entre as propostas curriculares descritas nas políticas públicas, via legislação e as práticas efetivas aplicadas nas salas de aula das instituições universitárias para esses alunos, por meio de processos de mudança e reconstrução institucional, promover ações práticas e efetivas de orientação, organização e reestruturação curricular, por meio de núcleo de atendimento assistivo à estes indivíduos, seus professores, familiares e profissionais em contato com os processos de inclusão destes na universidade. Tais processos indicam configurar o exercício de formação específica, orientação, direcionamento, acompanhamento e assistência à todos os envolvidos. Os procedimentos metodológicos estão sendo desenvolvidos por meio de aplicação do método qualitativo, que objetiva verificar a qualidade das atividades desenvolvidas, para instrumentalização da coletas de informações e dados investigativos estão sendo aplicados trilhas metodológicas de memoriais por meio de entrevistas semi-estruturadas da história oral de vida, bem como, memorial biográfico, documental e acompanhamento contínuo dos procedimentos junto aos sujeitos, objetivando a verificação dos depoimentos, documentos, registros e declarações das pessoas com deficiências lotadas no ensino superior, há ainda, o desenvolvimento interventivo em meio a investigação no sentido de proposituras de processos de mudança objetivando reconstrução institucional, junto aos sujeitos deste estudo. No desenvolvimento dos procedimentos finais de análise, tratamento e discussão dos dados investigados, propõe-se abordagem hermenêutica a fim de investigar e compreender os sentidos dos instrumentos coletados, bem como, abordagem pragmática, no que concerne à investigação e transformação de possibilidades para intervenções e proposituras reais e significativas, por meio de análise de conteúdo categorial temática de categorias analíticas emergentes a partir dos discursos dos sujeitos, almejando a identificação de sinais, indícios e pistas a partir das vivências resgatadas em memórias. Temos como lócus da pesquisa instituição de ensino superior localizada no interior do estado de São Paulo e como sujeitos do estudo investigativo, alunos com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação, lotados em cursos de graduação da referida universidade. Como resultados parciais do estudo, temos observados que os caminhos já trilhados indicam necessidades reais de intervenções para garantia de efetividade e aplicabilidade dos direitos constitucionalmente conquistados, contudo, não há dúvidas quanto a necessidade emergencial no que se refere a uma reestruturação institucional no ensino superior, não há dúvida ainda que o primeiro obstáculo a ser vencido está na compreensão da participação nas discussões de ordem e caráter das Políticas Públicas, bem como, iniciativas de implantação de Núcleos Efetivos de trabalho acerca da promoção efetiva de desenvolvimento das questões de inclusão, assistência e acessibilidade, mesmo que ainda, mantenham-se em iniciativas de forma isolada. Alguém precisa começar! Alguém precisa, reinventar a roda…

Palavras-Chave: Inclusão na universidade, políticas públicas, processos de mudança, inovação e reconstrução institucional.